Inquietações


  

ante o explícito mistério. e a crua convergência de todos os ais. eis-me com fome eterna. suspensa. queda. neutra. perpetuamente. entre a busca do gesto e o retorno. de um gesto preciso. de um conciso gesto. rompido na ventania. aberto ao mundo. atirado a prumo e jeito de ser. despalavrado. um gesto mero. puramente. seja unção e fervor. seja desatadura. sem chamada de amigos. sem retinir inimigos. um gesto. unido. desmedido. atirado em mim.

 



Escrito por Marilena às 20h44
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


não anoitece ainda

a lua reformou-se

e sabe-se em flores

o chão da eternidade inteira

persegue o brilho disponível

no meu mar

enquanto um banco de areia

espelha o retrato da espera 



Escrito por Marilena às 21h11
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Salvador Dali

Há um cotidiano surdo
caminhando estremecido
pela impudica poesia. 

Há uma tristeza imprudente
sonhando escaladas
em vastos penhascos.

Há a carne e o osso
pensando eternidades.

Há instantes longos 
deitando-se sobre o agora.

Há a noite avassalada
pela luz do dia que salteia.

Há o tempo.

Há tempos.

 

 



Escrito por Marilena às 01h20
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Acabo de receber da Cláudia Camara

(http://mentirashistoricas.zip.net/)
 o “meme da página 161.

 

Trata-se disso:

 

1. Pegar um livro próximo (PRÓXIMO, não procure);

2. Abrir na página 161;

3. Procurar a 5ª frase completa;

4. Postar essa frase em seu blog;

5. Não escolher a melhor frase nem o melhor livro;

6. Repassar para outros 5 blogs.

 

Dentre os livros que estão ao meu alcance, escolhi sem olhar: A maçã no escuro, da Clarice Lispector.

 
Eis a frase:


Ele misturou o cimento com exatidão, com urgência ininterrupta assim como os mil estremecimentos formam a vastidão do silêncio e o silêncio caminha.”

 

 

Passo a bola, então, para:

Márcia Cardeal
http://sementeiradequimeras.blogspot.com/

 

Célia Musilli
http://sensivelldesafio.zip.net/

 

Sonia Marini
http://www.pulsarpulsar.blogspot.com/

 

Carlos Alberto Musilli

http://www.almalesma.zip.net/

Paulo Vigu

http://www.riodaqui.blig.ig.com.br/



Escrito por Marilena às 21h08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Minha amiga Sonia Marini, do blog Pulsar Em Prosa e Verso (http://www.pulsarpulsar.blogspot.com/) indicou este blog a concorrer ao premio BLOG 5 ESTRELAS.

As votações terminam em 27/08 e cada blog indicado pode indicar outros 5. As regras para participar do concurso podem ser lidas no blog Nada para mim (http://npramim.blogspot.com/2007/07/blogday-o-dia-31-de-agosto-foi.html).

Teria mais de cinco para indicar, como por exemplo, o Museu de Tudo, do Theo (http://www.museudetudo.blogspot.com/), o Poeminhas para matar o tempo e distrair dor de dente, do Diovanni (http://www.diovmendonca.blogspot.com/), o Sou o que Sinto, da Valéria ( http://souoquesinto.blig.ig.com.br/), o Rio daqui, do Paulo Vigu (http://riodaqui.blig.ig.com.br/), o Alma Lesma, do Carlos Alberto Muzilli (http://almalesma.zip.net/), o Pulsar, da Sonia Marini, que me indicou, e todos os outros que estão linkados em meu blog, mas como só posso indicar 5, então, por ordem alfabética, escolhi os seguintes:

Caraminholas, do Marcos Pardim (http://mslppardim.blog.uol.com.br/)

Gavetas e Janelas , da Vassia (http://gavetasejanelas.zip.net/)

Mentiras Históricas, da Cláudia (http://mentirashistoricas.zip.net/)

Sementeira de quimeras, da Marcia Cardeal (http://sementeiradequimeras.blogspot.com/)

Sensível desafio, da Célia Musilli (http://sensivelldesafio.zip.net/)

 



Escrito por Marilena às 19h35
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Conheci Hilda Hilst na Casa do Sol.

 

Marcos Pardim, meu amigo, me levou até ela dizendo ter certeza que seríamos amigas.

 

Ela gostou de mim imediatamente. Eu era muito menina e não me era compreensível que um ídolo pudesse sequer tomar conhecimento da minha existência, menos ainda gostar de minha companhia.

 

Os ídolos me eram distantes e incomunicáveis e eu não sabia falar com eles. Mas ela falava comigo, me pegava pelo braço, enganchava-se em mim e fazia longos passeios comigo em seu jardim, contando-me coisas de sua vida, de amores passados, de sonhos deixados para trás, de alegrias e tristezas, as vezes chorava, outras vezes ria. Quando eu demorava para voltar, ela ligava me pedindo que fosse lá. Aconselhava-me sobre os homens que um dia eu teria e contava-me situações engraçadíssimas vividas com alguns dos quais ela teve em sua companhia.

 

Ela gostava que o Marcos lesse aquilo que ela havia acabado de escrever. Levávamos chocolate e ficávamos juntos, tardes inteiras, comendo, rindo, se emocionando e ouvindo o Marcos ler os escritos dela.

 

“O caderno rosa de Lori Lamby”, como é sabido, tinha a intenção de ser o seu grito de escarnio, “a sua banana para o mundo”. Divertia-se com a cara das pessoas que leriam “a porcaria” que tinha escrito.

 

Foi da boca do Marcos que ouvi, ainda em rascunho, pela primeira vez “O caderno rosa de Lori Lamby”. O Marcos foi lendo, com aquela voz redonda e grave, pausadinha, azul royal, de menino comportado, que só ele tem, e a gente, ao redor da mesa, foi se emocionando e constatando que, qualquer que fosse o tema, era impossível ela conseguir fazer porcaria com a palavra.

 

A lembrança mais deliciosa dessas tardes de leitura é a do Marcos lendo “Amavisse”. Ainda tenho a palavra dela, na voz dele, dançando em mim. É uma sensação linda, de encontro com o melhor da poesia dela, da qual sempre me reporto.

 

Um dia o Marcos quis que ela lesse os meus poemas. Fulminei-o com o olhar, tentando fazer com que ele fechasse a boca. Mas ela quis ler e eu, timidamente, os mostrei.

 

Ao terminar de ler ficou em silêncio por algum tempo, depois me disse que eu era uma poeta, talvez a melhor de minha geração que ela conhecia pessoalmente. Disse que estava feliz e triste com aquela descoberta. Feliz por encontrar numa menina esse talento, e triste pelo mesmo motivo. Disse-me que já havia escrito tudo o que queria e que não tinha mais vontade de escrever, e que, por isto, a vida havia ficado muito chata para ela. Pela sua experiência pessoal se alegrava demais em conhecer alguém tão jovem que sabia o que era poesia, e se entristecia, sob um certo aspecto, em pensar que este alguém poderia ter a mesma sina dela.

 

Lembrou-se de coisas e pessoas importantes que havia deixado em segundo plano na vida, para dedicar-se à literatura.

 

Falou de sua grande paixão em escrever e das noites, dias, semanas, meses e anos que, debruçada sobre sua palavra, a esmiuçava.

 



Escrito por Marilena às 23h27
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

(continuação)

 

Demonstrou sua dor em não ser lida, sequer conhecida pelas pessoas desse País.

 

Lamentava ter dedicado todos os dias de sua juventude e de sua vida para escrever e jamais ter vendido seus livros sequer para pagar suas contas.

 

Falou de sua desilusão com a literatura de um país sem poesia.

 

Disse que sentia a vida escorrendo pelos dedos das mãos e já as via quase vazias diante de seu desespero em sua solidão e desamparo.

 

Como ela imaginava que a poesia seria o meu destino, me aconselhou a ler muito e disponibilizou-me sua biblioteca, aconselhando-me a tentar ter também os olhos atentos ao aspecto comercial desse trabalho, coisa que ela confessou não ter feito.

 

Nunca mais voltei lá, depois desse dia, e acho que nem o Marcos.

 

Tive medo de voltar. Eu era quase uma menina e sempre estive diante dela um tanto assustada com sua genialidade. Aproveitei aquele discurso sobre tristeza e solidão, bem como os sentimentos conflitantes dos quais acreditei existirem também no Marcos, para fugir para sempre daquela estranha e enorme emoção que era a de contracenar com um mito que me era grande demais.

 

Não segui seu conselho, porque não li o quanto ela me recomendou, nem sequer li um daqueles seus livros, infelizmente. Também não escrevi quase nada e isto porque não era a minha sina, nem a minha vocação. A linguagem jurídica, por fim, engessou as minhas mãos e as minhas asas.

 

Tenho muito a escrever, mas maior é o silêncio que contempla o meu universo.

 

Às vezes, porém, imperiosamente, minhas asas colocam-se para fora, e minhas mãos registram esses vôos.

 

Depois há o recolhimento e o mergulho novamente no silêncio.

 

 Um silêncio trabalhoso, tear de emoções, palco de palavras desmaiadas.

 

 Hoje escrevo, pensando nela, em Hilda, e para ela.

 

Na pele do silêncio,

poroso e denso,

tenho fora as mãos:

gestos, contornos descidos,

mãos nos corredores da tarde,

interpelando lembranças.

 

 

 



Escrito por Marilena às 23h26
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

prisioneira de pautas e abcissas,

ela prossegue

na débil, indecisa e ascética

metamorfose.

 

indefine-se entre eclodir o

seu fermento

e o silêncio manifesto.

 

angustia-lhe a escolha

de si ou do seu gesto.

 

do predicado ou do verbo,

em dupla melancolia.

 

tensa, se-procura

no silêncio e no gemido.

 

exausta, a Deus suplica

urgentíssimo descanso,

ou, ainda, o santo dom

da una loquacidade.

 



Escrito por Marilena às 21h29
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


foto Ney Bravo

Silêncio : tecelão do meu tempo



Escrito por Marilena às 13h52
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Momento inominável

Odilon Redon The Red Sphinx, c.1912

 

aqui, a ausência onipresente

 

nos longes,

braços movem  solidão

 

nas ampulhetas,

nos metrônomos,

na hera,

na muro,

passam os minutos

 

é engano alheio

o escoar de amores

 

 

(é natal mais uma vez e é bom que assim o seja. porém, mesmo com a dimensão do significado da data impresso em mim de maneira particular quando criança, este é um período em que me sinto vazia e perplexa diante do frenesi que assisto, das tentativas de comprar felicidades, de alegrias ou tristezas exageradas diante da comum inflexibilidade do tempo. mas, é natal. é data que se pretende divina.  e eu desejo a todos que seja uma data feliz, de felicidade verdadeira e descansada. que seja um dia nada “fake” para todos. um dia divinamente comum).

 

 



Escrito por Marilena às 02h24
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Há imagens

estocadas em mim

e esquecidas

 

Há sirenas

que se cortam na carne

paisagens sufocadas

 

Há preces

que são cenários desertos

muitíssimo desertos abertos ao Deus em gestação

 

Há preces

que são ancoras

são barcos

são réquiens

são zombarias

são acalantos

 

Há preces

que são mansas

 

Há preces

que são litânias e responsos

para um Deus quieto quieto muitíssimo quieto

 

Há amadas miragens

instauradas em mim

são insônias

 

Há silêncio

e sussurro

e escombro

 

Há uma imagem

balizada estocada no tempo do ser

 

 

 



Escrito por Marilena às 01h05
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

No princípio era o nada. E o amor

passava o seu fôlego sobre o nada, ansiado.

E este sopro fez do nada o verbo que, nascendo,

libertou o amor.

E ficou o verbo.

E o verbo, livre, buscou incensos, auroras, sorrisos,

solitudes, arcancéis, amor, vazio,

- toda a matéria de seu artesanato.

E não se importou com os muros que o abrigaram

nem com as travas; não as temeu,

sabendo que era-é em ventura.

E debruçou sobre um velho piano,

tocando vastos poemas.

E pintou nas folhas e nos ventos

grandes paisagens.

E fitou oratórios, pássaros e a neve,

E não se surpreendeu no mundo novo,

lento dealbar; lento ingresso nos sótãos.

E prosseguiu,

como se fosse o único.

Sem palavras.

 

 



Escrito por Marilena às 20h54
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


A paixão

Vivo, em tempos de paixão, como se não morresse,

como se em meus sítios não houvesse ausências.

 

Sonho-vivo estouradas aleluias

e nelas sequer comparecem réquiens.

 

Porque onde fremem desafios,

a impossibilidade se desfia em meus tecidos.

 

Mergulho em ares intranqüilos,

sou reconduzida à tenda dos humanos,

de onde, em outros tempos, desconheço o viver.

 

............................................

 

Embora não desejasse falar de mim neste blog nos moldes que segue abaixo, também não quero desmanchar prazeres. Portanto, atendo o convite que me foi feito pela Célia Musilli (http://sensivelldesafio.zip.net/) em participar de um jogo que consiste em falar seis coisas que são a minha cara.

 

1 – Sou advogada e política, portanto nem preciso dizer que passei mais da metade da minha vida brigando pelos outros.

2 – Sou apaixonada pela arte em todas as suas expressões, especialmente: literatura, cinema, pintura, arquitetura, música.

3 – Adoro conversar e viajar. Observo tudo, transformo tudo em palavras, e jamais me sinto estrangeira em qualquer parte do mundo.

4 – Mais importante que a comida, é a companhia e o lugar onde se come, especialmente se acompanhada de um bom vinho.

5 – Também gosto de atividades físicas, apesar de sentir muita preguiça em realizá-las.

6 – Amo meus filhos, e dizem que sou uma mãe vanguardista demais, fora dos padrões. Não sei. Desejo somente que eles sejam felizes e livres.

 

 



Escrito por Marilena às 20h04
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Em Veneza

Tu me doaste estas noites

de verão,

de ventos delicados,

de rumos acrobáticos,

de sons ancestrais.

 

A mim, apenas,

entregastes sílabas gemidas e desatadas,

o cortejo de barcas caminhantes,

por canais de ternas lembranças.

 

E recebi um mar de cantos-espantalhos

de alvores escondidos

com passos que desagregavam palavras

feitos de pausas liberadas

para a dança dos nossos mascarados silêncios.

 

E o silêncio abortou as noites escuras

desvendando luzes macias e tenras

de manhas lisas

lavadas de juras de amor eterno.

 

E houve testemunhas do envelhecimento

daquelas águas,

daquelas horas,

daquelas noites,

de nossos corpos.

 

Para o Paolo.

 

 

 



Escrito por Marilena às 19h59
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Infância abandonada

Que dor há de mais doer o que é abandono?

A fome, as luzes alheias, a sarjeta, a violência, o caos?

O desvario de ser, a asa, o grito?

 

Que sonhos, de menino, empunhando mortes,

E que sabes a vida tão finita?

 

Como cobri-lo de mãos e ternuras?

 

Que voz será tão indefinível?

 

 

Durante alguns anos criei e implantei dezenas de projetos sócio-culturais em minha cidade. Vi meninos e meninas sorrindo ao aprender a ler, a escrever, a dançar, a cantar, a desenhar, a pintar e, sobretudo, a sonhar. Uma cena que muito me comoveu e da qual nunca me esquecerei, foi presenciar uns daqueles meninos que estavam integrados em alguns desses projetos - e que haviam cometido crimes graves - num cinema da cidade, com um pacote de pipoca nas mãos e com os olhos cheios de lágrimas, diante da cena em que o Rei Leão morre ao tentar salvar seu filhote Simba. "Como poderiam chorar por aquilo se já haviam cometido até homicídio?" Entendi, imediatamente, que tudo o que eles queriam era acreditar num sonho. No sonho de ser gente normal. No sonho de nunca mais darmos a eles “coisas pobres para pobre”. No sonho de não serem abandonados por nós.

Dedico este post ao "Duda", um daqueles meninos que estavam no cinema chorando e que hoje reencontrei num dos corredores da Universidade de minha cidade, fazendo o 2º ano do curso de Publicidade e Propaganda.

Porque quando lhes é dado a possibilidade de sonhar, aqueles meninos renascem em suas infâncias, a reinventam e a reescrevem.

 

"Este poema é parte de uma blogagem coletiva, onde peguei carona. Encontra-se links para os outros textos aqui: www.lauravive.blogspot.com "

 



Escrito por Marilena às 21h38
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Encontro meu retrato

(Marilena by Bruna Maria - son)

Nesta imagem retornada

de todas as idas

sou e não sou sempre a mesma

minha paisagem

E o que me vê

Não sabe de si mesmo a minha fome

Da mesma lenta e estupefata verdade

De silêncios derramados em canções

De granitos se adensando nas nossas mesmas águas

De um todo de rio que em nós se alarga

Em um mar de caminhos que nos destinam ao mesmo encontro

 A fazer-nos degustar em longas árias

De larguras tão longas e extremas

Que o horizonte desiste em olhar

A fundura mais pura de nossas cavas

 

Estive um pouco distante e mergulhada em meus silêncios. Nada ruim, somente uma outra maneira de degustar a poesia da vida. Retorno agora, mostrando a cara, e dedicando este retorno a dois amigos blogueiros que escrevem maravilhosamente bem e que sugiro à  todos a leitura de seus posts: Cláudia, do http://mentirashistoricas.zip.net   e Marcos, do http://mslppardim.blog.uol.com.br/.

 



Escrito por Marilena às 21h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Por força de circunstâncias, estou um pouco distante nestes dias, mas peço que visitem o blog da Valéria : http://pensar_e_um_ato.blig.ig.com.br/ .

Hoje ela esculpiu minhas palavras e ficou lindo o trabalho que ela fez.



Escrito por Marilena às 14h28
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Desvendando ternuras

Tens boca de sentir e olhos com afagos?

Mãos para recompor, caves de ternura?

Trechos do sol e do eterno?

Terás ouvidos prontos ao murmúrio e às preces minhas?

Ah, ronda do teu ser!

 



Escrito por Marilena às 15h42
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Poema para uma noite e para uma manhã

Soprei estremecimentos

em setas de lunares ousadias,

quando me convocou o desatento

fruto do querer.

 

Os pássaros-braços irromperam

da névoa ora antes d’agonia,

adensando-se naquele gozo.

 

O seu apenas corpo deu-me

uma noite lívido sacramento.

 

Depois arquitetaram os olhos

a gravitação do orvalho.

 

O passo estelar naufragou

a madrugada inclusa.

 

E os pés

foram fluindo sulcando

a manhã permanecente.

 



Escrito por Marilena às 16h22
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Escolhendo um presente

(Antonio Canova - Parigi - Louvre)

Sinto o cheiro do ar,

cheiro seco e bom.

 

É o sinal de que

daqui a alguns dias vou ao seu encontro.
E eu, como sempre não levarei o presente

que é comum uma mulher dar a um homem

 

Será que gostaria mesmo de receber meus pertences de criança?

Todos os meus medos:

de avião,

de bicho-papão,

de escuridão,

de gente grande,

de lobo mau,

de papai noel,

de buraco que fica embaixo da cama,

de altura,

de cair no fundo do mar,

de desconhecido?

Você receberia a certeza

de ser meu anjo da guarda,

de não poder me abandonar,

de meus milênios de saudades,

de que não submergiria de nenhum dos seus mergulhos sem mim,

de que eu adoraria fantasmas.

 

Mas jamais cingiríamos nossa solidão em nosso abraço.

 



Escrito por Marilena às 20h47
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Daqui a pouco

1. o tempo far-se-á cristal

    num golpe.

 

2. o tempo tornar-se-á embora,

    e a distância será ninguém.

 

3. mas como descansarei a fome?

 

4. se o tempo em meu sítio será só ausência

     porque viverei como se vivesse?

 

5. e se em mim, só eu serei,

    porque o mais esperará minha gestação para ser?

 



Escrito por Marilena às 14h56
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Madrugada

Subias a ruela esconsa.

Ninguém reteve tuas mãos nas suas.

Com passos que pesavam, subias.

 

Portavas velas de porcelana,

Portavas álacres inquietudes,

Portavas miragens, imagens, músicas.

 

Portavas-te!

E era duro sentir-se,

quando se atenuavam as vozes,

ao longe, ao longe.

 

Nas vestes, pátina; nos olhos, sombras.

 

Subias.

Para lugar algum.

Ias, intransitivamente.



Escrito por Marilena às 16h30
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Promessa

No labirinto das febres

ela se esconde

para não fugir

com o verbo que a consome

 

No desvio da aurora

ela se esconde

para segurar nas mãos

as luzes sonegadas

 

Na transparente caverna

ela se esconde

com o farnel das promessas

a ventura edificando

 



Escrito por Marilena às 16h16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Lembrança

(Pássaros - Lia Knapp - aquarela)

Vivíamos como pássaros sonâmbulos,

as grandes asas esgarçando ao vento,

enquanto íamos apressadamente

a parte alguma.

 

Famintos de espaço, cúmplices do tempo

e distantes do mundo. Éramos em comunhão

com os elementos apenas suspeitados.

As coisas a nós chegavam em espectros,

os tons dançando, esfumaçados;

ansiávamos

o que revelassem essas formas adensadas

nos olhos brilhantes, envoltas

em capas de vegetações grisalhas.

 

Somente as mãos dos deuses, às vezes,

surgiam longe, e as temíamos,

logo se desfazendo, liquens, chuvas, sombras

inominadas.

 

ooo

 

Vivíamos como pássaros

E vivíamos perante a morte,

éramos o que a morte permitia,

éramos dádivas daquelas cores fúnebres.

 

 



Escrito por Marilena às 17h29
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


de tanto medo

 

"desde pequena sofria de dor na garganta, mas não pedia ajuda a ninguém, porque sabia que a sentia de tanto engolir choro.

 

olhava e percebia coisas, mas não as entendia, e estranhamente acreditava que quando isso ocorresse seu mal crônico ficaria curado, porque faltava respirar a liberdade que não sabia que se chamava assim.



Escrito por Marilena às 20h02
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


(continuação)

 

o medo de tudo, daquela infinita feiúra, que era o quê percebia e não entendia, e de arder no fogo daquele inferno para sempre, lhe causava esquisitas reações, e a fazia rasgar cortinas, quebrar portas e janelas, riscar muros, gritar mentiras e engolir tantos choros.

 

só por causa de tanto medo, de tanto não-saber, é que descobriu a coragem.

 

quanto mais medo tinha, mais coragem passou a ter. quanto mais o tempo passava mais o medo aumentava e maior a coragem ficava.

 

e assim teve a coragem, quando aprendeu as letras, de escrever e dizer mentiras, de tanto medo de que aquela verdade misteriosa a esmagasse.

 

teve a coragem de desenhar suavidades e delicadezas e de pintar sonhos, de medo que a escuridão e inospitez da crua realidade lhe cegasse.

 

teve a coragem de deitar na cama com o homem proibido de medo que os homens permitidos a acorrentassem àquela existência. teve a coragem de ver aquele homem morrer, de medo do amor não ressuscitar.



Escrito por Marilena às 20h01
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


(continuação)

 

teve a coragem de sonhar o sonho dos que não sabem sonhar, nem desenhar, nem pintar, de medo que a terra se transformasse num deserto, e por causa desses sonhos alheios, teve a coragem de colocar dentro das gavetas do armário da sua avó, os sonhos pessoais, os desenhos, os poemas. então teve a coragem de ser representante dos débeis, dos medrosos, dos que tem gargantas doloridas, dos que sabem que o céu também é cinza, das que amam homens proibidos e das que abandonam maridos agressivos e insensíveis, das que fritam o alho e a cebola no óleo saturado, infectando manhãs com o cheiro das verdades seculares e fedidas, dos que se contentam com a cerveja do bar da esquina, ao lado de mulheres com gargantilha de plástico, shorts curtinho, rimel e lápis bem preto nos olhos e batom brilhante nos lábios. teve a coragem de planejar, implantar e lutar pelo futuro dos filhos que estes todos os tipos de débeis abandonam nas ruas. teve a coragem de sentar à mesma mesa com eles para ouvir suas histórias  e fatalidades.

 

teve a coragem de reescrever outros sonhos, poemas, redesenhar e repintar outras-mesmas delicadezas, belezas, mentiras e verdades que se-lhes espreitavam a séculos tantas vezes quantos anos teve.

 

teve a coragem de silenciar tudo, muitas vezes, entre todos os sonhos, de medo do barulho do não-sonho. teve a coragem de amar quantas vezes o amor nela ressuscitou. teve a coragem de deixar certezas para conhecer incertezas do grande mundo, do além-mar. teve a coragem de lá longe, do outro lado do mundo, rodeada de belezas antes inimagináveis, admitir a estranha falta das esquinas dos bares puídos, dos rostos de conhecidos desdentados, das calçadas esburacadas, do cheiro da fritura em óleo, do inóspito da vida daquela pequena cidade, da dor de garganta da amargura primitiva, da feiúra inexplicável daquele pedacinho de mundo.

 

e teve a coragem de voltar, de abraçar aquela estranha falta, de escrevê-la em versos, de desenhá-la e colorí-la e, e de declarar a todos, com a garganta sã,  bem alto, o seu grande e surpreendente amor-medo-coragem pelo nada, pelo ninguém, pelo feio, pelo amargo, pelo escuro, pelo pequeno."

 



Escrito por Marilena às 20h00
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


reencontro - oração - embriaguez

rezastes todo o corpo

salmodiando cada verso enlaguescido

 

 o fluir de mãos pela pele

revelou mistérios

 

no abdome, a unção, o fervor

 

as faces ansiosas, enternecidas,

foram aragens brandas nas costas da messe

 

como um sacrário, os seios

acalentaram os lábios

 

nos cabelos, o naufrágio das mãos,

antes de cada dedo tecer

o rosto, em febre-doçura

 

tramastes para os olhos

o luzir da pungência,

cantastes os artelhos

na manhã deliqüescente

 

como altar,

tomastes a polpa dos pés

inundando de amor todos os poros

 

 

(Para os bons amigos que aqui me visitam, devo dizer que fiquei um tempo sem desejar escrever, nem achava mais que conseguiria ainda uma linha, num daqueles momentos que se vive na solidão de todas as palavras. Não sei se é comum a todos, mas em mim este silêncio sempre está a espreitar. O bom é que é cíclico e como vem, vai embora, de repente.)



Escrito por Marilena às 19h05
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


quietude

que lusco ofusca

o nítido mistério?

 

por que fosca se fez

a noite solígena?

 

que trapos impurcaram

tuas vestes silfalinas?

 

que vozes te me dizes

na alcova de loucura?

 

que lassa quietação

envolve nossa paixão?

 



Escrito por Marilena às 19h06
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Outono

Desfolha-se o tempo em segredos

e pausas sussurrantes

As palavras saem das folhas aladas,

saem dos ventos tangendo cansaços

Há espera de tons cativos,

de sombras e catarses;

de ti,

cancela estonteante

em chão de lembranças.



Escrito por Marilena às 17h38
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu perfil





BRASIL, Sudeste, SALTO, Mulher, de 36 a 45 anos, Portuguese, Italian, Livros, Cinema e vídeo, esportes



Histórico


Outros sites
 Cláudia
 Marcia Cardeal
 Marcos Pardim
 Theo G. Alves
 Vássia Silveira
 Cecília Cassal
 Célia Musilli
 Diovvani
 Cláudio Eugênio
 Valéria
 Nilson Barcelli
 Nel Meirelles
 Janaina Calaça
 Edilson Pantoja
 Clauky Saba
 Carlos Alberto Muzilli
 Fotolog do Ney
 Jornal Circuito
 Paulo Vigu
 Carlos (experimentando-me)
 Luzzsh
 Alice
 Douglas D.
 Caíla
 Alberto Serra
 Rubens da Cunha
 Marla de Queiroz
 Celina
 Octávio Roggiero Neto
 Sonia Marini
 NeyMaria Menezes